Surf Clube de Sesimbralogotipo

Boa tarde | 16:42 | Terça Feira, 19 de Fevereiro de 2019

Pesquisa Google

Apoios


Seventy One Percent

Kreedom and Crush Eyes

Eco Wolfe

Janga Wetsuits

Easy Car

Gury tattoo

Avoneto Produtos Horticolas

Café Central de Alfarim

Casa da Praça

Tasca do 13

Pastelaria e Padaria 'Tia Cininha'

SurfTotal.com

BeachCam

Swell Algarve

Câmara Municipal de Sesimbra

Juventude Sesimbra

Instituto Português do Desporto e Juventude

Federação Portuguesa de Surf

Praia das Bicas recebeu 4ª etapa do Campeonato Nacional de Clubes 2003 de Surf e Bodyboard


4ª Etapa do Campeonato Nacional de Clubes 2003 de Surf e Bodyboard

18 e 19 de Outubro, Praia das Bicas, Sesimbra

Condições do mar e do tempo:

No 1º dia as ondas rondaram 1 metro, sets maiores, ordenado e condições razoáveis para o surf; o vento soprou fraco a moderado do quadrante sul (side-off), e o céu esteve sempre nublado, com periodos de chuva.

No 2º dia a ondulação aumentou, com os sets maiores a atingirem os 2 metros; infelizmente o vento soprou forte de sudoeste/oeste (side-on), o que estragou consideralvemente a formação das ondas, tornando muito difícil a actuação dos atletas. O tempo esteve instável, mas com longos períodos de sol, apesar do ocasional chuvisco.

Competição de Bodyboard:

No 1º dia de competição realizaram-se as duas primeiras fases de Bodyboard, mais concretamente o 1º round e os oitavos-de-final.

No 1º round as surpresas ficaram a cargo das eliminações prematuras de Tiago Silva (Técnico),Bernardo Abreu e João Bernardo (ambos da Univ. Lusófona), atletas de quem se espera mais e melhor.

Nos oitavos-de-final, Fabio Laureano (ABFM), Hugo Pinheiro (ASCC), Miguel Tavares (Seixal) e o jovem Gastão Entrudo (Sesimbra), deram um bonito show de bodyboard, passando sem problemas à fase seguinte. As decepções nesta fase ficaram a cargo de Pedro Carvalho (ASCC) e Tiago Fonseca (U. Lusófona), que ficaram pelo caminho, não mostrando o seu verdadeiro valor.

Os quartos-de-final, realizados já no 2º dia de competição, ficaram marcados pelas condições totoloto de um mar totalmente desordenado, devido ao forte vento que se fez sentir; quem tivesse a sorte de apanhar as melhores ondas sairia certamente vencedor. Nestas condições, Hugo Pinheiro, Hélder Mendes e José Casimiro (todos da ASCC), além de Tiago Ventura (Ericeira), não vacilaram e sairam vencedores das respectivas baterias; quem lhes seguiu o passo foram os atletas locais João Diogo e Gastão Entrudo, ambos do SC Sesimbra.

Na 1ª meia-final, o atleta local Gastão Entrudo, de apenas 16 anos, não se intimidou com as fortes ondas que quebravam, vencendo a bateria, deixando atrás de si Hugo Pinheiro (ASCC), actual lider do Circuito Europeu de Bodyboard; eliminados ficavam o sub-18 capariquense Hélder Mendes, e Tiago Tavares (Univ. Lusófona) - que, a título de curiosidade, se sagrou Campeão Nacional Universitário em 2002.

Na 2ª meia-final, Tiago Ventura (Ericeira) voltou a brilhar, levando consigo para a final o atleta local João Diogo (Sesimbra), deixando pelo caminho José Casimiro (Caparica) e Ricardo Simões (ABFM).

Na grande final, e pela 1ª vez na sua história, o Surf Clube de Sesimbra colocou dois atletas, partindo como favorito para clube vencedor na categoria de Bodyboard; Hugo Pinheiro da Caparica e Tiago Ventura da Ericeira completavam o quarteto que iria disputar a vitória. Infelizmente os atletas locais não se encontraram com as ondas, acabando João Diogo em 4º e o jovem Gastão Entrudo em 3º. Quem aproveitou o facto foram os restantes atletas: Tiago Ventura e Hugo Pinheiro disputaram a vitória taco-a-taco, mas esta acabaria por sorrir ao atleta da Caparica, muito devido à sua boa preparação física, que lhe permitiu enfrentar as difíceis condições do mar de forma superior à dos seus adversários.

Com a vitória de Hugo Pinheiro, a ASCC levou para casa o 1º lugar de Bodyboard, relegando o SC Sesimbra para 2º, e o Ericeira SC para 3º.

Competição de Surf:

Ao contrário da categoria de Bodyboard, foram realizadas três fases na categoria de Surf, a saber, 1º round, oitavos-de-final e quartos-de-final. No 1º round, o único resultado relevante foi a surpreendente derrota de Paulo Almeida (Univ. Lusófona), um dos favoritos à vitória final; os obreiros deste resultado foram o jovem Filipe Valadão, da Ericeira, e Nuno Gonçalves, da Universidade Nova de Lisboa, que mostraram muito bom surf. Nota positiva para os quatro atletas locais, que passaram todos as respectivas baterias.

Nos oitavos-de-final, as boas performances ficaram a cargo de Gonçalo Dias (Técnico), Marcelino Barros e Sandro Maximiliano (ambos da Univ. Lusófona). Ao contrário do que tinha acontecido na fase anterior, os atletas do Surf Clube de Sesimbra levam nota negativa, uma vez que ficaram todos pelo caminho nesta fase.

Nos quartos-de-final, os Ericeirenses Gil Alhinho e Alexandre Grilo mostraram bom nível, passando para a fase seguinte sem problemas; quem também mostrou bom surf foram Nuno Gonçalves (Univ. Nova) e Ricardo Vaz (ASCC). Ainda nesta fase, surpresa para a eliminação do experiente surfista da Universidade Lusófona, Sandro Maximiliano.

Nas meias-finais, realizadas já no 2º dia, os atletas da Ericeira simplesmente não deram hipóteses; habituados a surfar point-breaks na sua terra natal, não tiveram problemas em dominar as poderosas -embora desordenadas- ondas da praia das Bicas. Assim, Gil Alhinho, Alexandre Grilo e Filipe Valadão carimbaram sem dificuldades de maior a passagem à grande final; o unico outsider que se juntou aos ericeirenses na final, foi Marcelino Barros, representando a Universidade Lusófona.

Como seria de esperar, a final foi vencida por um atleta da Ericeira, mais concretamente Alexandre Grilo, confirmando a vitória do seu clube na categoria de Surf. Apesar de tudo, o universitário Marcelino Barros ainda agarrou a 2ª posição, deixando os ericeirenses Filipe Valadão em 3º, e Gil Alhinho em 4º.

Conclusões:

O Surfing Clube da Costa do Sol e o CRC Quinta dos Lombos (ambos da linha do Estoril/Cascais) decidiram não comparecer nesta prova, uma vez que já tinham garantido a sua presença na finalíssima, a realizar em Dezembro. Restavam duas vagas, que 5 clubes ainda tinham hipóteses de agarrar. Ao longo deste campeonato, a lista reduziu-se a 3 clubes ainda com algumas possibilidades de apuramento: ASC Caparica, SC Sesimbra e Ericeira SC; a ASCC, que partia na frente da corrida, foi o 1º clube a garantir uma das duas vagas restantes. A vaga que faltava ficava assim em disputa entre o Surf Clube de Sesimbra, que jogava em casa, e o Ericeira Surf Clube; apesar do excelente resultado obtido no Bodyboard, o Surf Clube de Sesimbra não conseguiu o mesmo feito na categoria Surf, onde o Ericeira SC foi rei e senhor, deixando o último lugar de acesso à grande finalíssima para os ericeirenses, para desânimo do publico local.

Apoios:

Red Bull, Café Central de Alfarim, Câmara Municipal de Sesimbra, Instituto Português da Juventude, REGRA, Bar Marés do Meco, I-Box, Zimbra Diver e Comércio de Alfarim.

Classificações por Clubes:

Bodyboard

1º ASCC - Assoc. de Surf da Costa de Caparica

2º SCS - Surf Clube de Sesimbra

3º ESC - Ericeira Surfing Clube

4º ABFM - Associação de Bodyboard da Foz do Mondego

5º SSC - Seixal Surfing Clube

6º LuSurf - Universidade Lusófona

7º IST - Instituto Superior Técnico

8º UNL - Universidade Nova de Lisboa

Surf

1º ESC - Ericeira Surfing Clube

2º ASCC - Assoc. de Surf da Costa de Caparica

3º IST - Instituto Superior Técnico

4º UNL - Universidade Nova de Lisboa

5º SCS - Surf Clube de Sesimbra

6º SSC - Seixal Surfing Clube

7º LuSurf - Universidade Lusófona

Geral

1º ESC - Ericeira Surfing Clube

2º ASCC - Assoc. de Surf da Costa de Caparica

3º SCS - Surf Clube de Sesimbra

4º IST - Instituto Superior Técnico

5º SSC - Seixal Surfing Clube

6º LuSurf - Universidade Lusófona

7º UNL - Universidade Nova de Lisboa

8º ABFM - Associação de Bodyboard da Foz do Mondego

© Surf Clube de Sesimbra