Surf Clube de Sesimbralogotipo

Boa tarde | 14:17 | Quinta Feira, 22 de Agosto de 2019

Pesquisa Google

Apoios


Seventy One Percent

Kreedom and Crush Eyes

Eco Wolfe

Janga Wetsuits

Easy Car

Gury tattoo

Avoneto Produtos Horticolas

Café Central de Alfarim

Casa da Praça

Tasca do 13

Pastelaria e Padaria 'Tia Cininha'

SurfTotal.com

BeachCam

Swell Algarve

Câmara Municipal de Sesimbra

Juventude Sesimbra

Instituto Português do Desporto e Juventude

Federação Portuguesa de Surf

Primeira etapa do Campeonato Nacional de Clubes: SCS vence no bodyboard


Gastão Entrudo, atleta do Surf Clube de Sesimbra (SCS), foi o grande vencedor, em bodyboard, da primeira etapa do Campeonato Nacional de Clubes, zona sul, que decorreu no sábado, 19 de Março, na Praia do Barbas, Costa de Caparica. Já era esperada, de resto, uma boa prestação por parte deste jovem de 17 anos, até porque, segundo o chefe da equipa, João Diogo, «o Gastão era o atleta mais credenciado em prova e, mesmo quando não está nos dias dele, pode não ser o primeiro, mas será, certamente o segundo melhor». O atleta justificou assim, porque integra o top16 nacional da modalidade.

Em bodyboard, de facto, o SCS esteve ao seu mais alto nível, com João Diogo a alcançar ainda o quarto posto e Carlos Jorge a chegar à sétima posição, num dia em que o mar se apresentava «razoável, com ondas de um metro/meio metro e vento moderado sul/sueste».

No surf, o panorama foi bem diferente o que, segundo João Diogo, tornou «inglório» o bom desempenho dos bodyboarders. «Faltou, julgo eu, motivação. Este já é um problema crónico, uma vez que os nossos surfistas não têm o nível desejado quando comparado com os dos outros clubes», justifica. Em 30 pontos possíveis, a equipa do SCS, constituída por Gil Rita, Emanuel Embaixador (Mega) e Carlos Jorge, conseguiu apenas 10. A tarefa, no entanto, não era nada fácil, a julgar pelo nível dos adversários, onde se incluía Ariano Marques, top 16 Europeu.

«O Gil Rita teve pouca sorte», explicou o chefe da equipa. Nem sequer passou a primeira bateria e dos três surfistas do SCS era o mais credenciado. A nona posição - em exequo com o Carlos Jorge «que é, diga-se, bodyboarder» - foi o melhor que conseguiu. Foi azar a mais para este atleta que, sendo do sul do país, se dispõe a fazer 300 km para defender as cores do SCS. Melhor sorte teve Emanuel Embaixador cuja prestação lhe valeu a 5ª posição.

Contas feitas, entre bodyboard e surf, na classificação geral, o SCS ficou-se pelo terceiro lugar, atrás da Associação de Surf da Costa de Caparica (ASCC) e Seixal Surfing Clube (SSC).

«Julgo que o resultado obtido nesta primeira etapa é um bom prenúncio. Em bodyboard portámo-nos muito bem e, no surf, bastava que apenas um dos nossos atletas tivesse passado mais uma fase», avalia João Diogo.

Por outro lado, esta posição numa primeira etapa é também uma vantagem porque, numa próxima fase, e uma vez que área abrangida por este campeonato estende-se da margem sul do Tejo até Sagres, poderá vir a abranger muitos mais clubes interessados em participar. «Assim já partimos com alguma vantagem, de qualquer forma, o objectivo será sempre ficarmos entre os dois primeiros classificados , porque apenas esses poderão vir a disputar a finalíssima», explicou o chefe de equipa do SCS.

Isto porque, o campeonato nacional de clubes inaugura este ano um formato diferente do utilizado em épocas anteriores, sendo dividido em três divisões nacionais: zona norte, de Viana do Castelo a Peniche; zona centro, de Peniche (exclusive) à margem sul do Tejo; e, zona sul, da margem sul do Tejo ao Algarve. O campeonato desdobra-se em duas etapas por zona e uma finalíssima nacional a que acederão os dois primeiros classificados de cada zona.

© Surf Clube de Sesimbra